quarta-feira, maio 09, 2007

sou mãe resmunguenta, sim!

às vezes tenho um certo receio que os meus amigos não compreendam os meus desabafos e pequenas explosões relativos à maternidade. às vezes, depois de os deixar, fico a matutar no que pensarão sobre esta mãe que se farta de resmungar. às vezes olho para as minhas amigas com filhos pequenos e não percebo como é possível não resmungarem também...

para aqueles de vocês que me estão sempre a ouvir resmungar e a pedir uns dias de férias de putos e a invejar aquela noitada ou a saída de fim de semana, a resposta está aqui.

(ah...e só não vou já ao 3º porque não posso :p)

6 comentários:

Catarina disse...

Pois então, Inês, já somos 2! A vergonha que eu tenho quando os meus vizinhos comentam que me ouvem, às vezes, a gritar com o Rodrigo... Dá-me vontade de me esconder debaixo de qualquer coisa. Tenho um miúdo especialmente teimoso e, nesta fase, muito dependente da mãe... Também não sou 100% mãe, preciso de momentos para respirar (que às vezes não tenho, de ser só mulher, não esposa nem mãe de ninguém. De vir à tona para depois poder voltar a mergulhar. Ultimamente não consigo tê-los, mas a esperança não está perdida. Deixa lá, acho que por resmungarmos não somos piores mães, somos apenas mais reais, mais humanas. Mas o que importa, no fundo, é eles saberem que nós estamos sempre lá, independentemente das nossas resmunguices. Que há sempre um abraço, um beijo, um colinho, mesmo que intercalado com uns gritos de vez em quando e com umas palmadas no rabo!
Beijinhos,
catarina.

Patrícia M disse...

Eu nao desespero muito com o meu... Por enquanto...
Mas a minha vida de mae, a comparar com a tua, é uma pasmaceira! ;o)

Gostei do "JÁ"...! Mulher decidida!É assim mesmo...

InêsN disse...

não tem tanto a ver com o facto de eles serem fáceis ou difíceis...tem a ver com a minha necessidade de ter tempo para mim, de poder pôr e dispôr do tempo sem obrigações, sem horários, sem preocupações.

sil disse...

Eu assino por baixo...

Eu resmungo, resmungo e resmungo...
Também desespero...

Mas também, já não me vejo sem eles... e adoraria ter mais:D

Penso que é super normal, é sinal que estamos vivas, e que somos mulheres activas, que não se contentam com um deixa estar...queremos sempre mais, exigimos sempre mais...mas sempre com muito amor a eles (nossos filhotes)....que isso não esteja em causa.

Também, eu necessito de tempo para mim, para namorar, para pensar só e só em mim....ainda no outro dia dizia que tenho saudades de ir a um restaurante sem estar preocupada se alguém deixa cair comida para o chão. De ter uma conversa à mesa em voz baixa, de me levantar só quando me apetece...

Bjos de uma Mãe stressada mas cheia de saudades, e desejosa de os ir buscar ao colégio...

P.S.: O meu EU está sempre em controversia - pensar em mim versus saudades deles ou estar com eles versus estar de rastos!

MC disse...

Sei do que falas e acho que não precisaria sequer de seguir o link (que segui, está claro).Mas também acho que podem existir variáveis externas, que nos tornem mais ou menos resmungonas. Na minha opinião pessoal, uma dessas variáveis são as "ajudas logísticas" ou como queiram chamar-lhes: a presenças de uma ou duas pessoas de confiança a quem possamos, sem grandes dramas, entregar os nossos filhotes durante umas boas horas, uma noite ou um fds. Falo disso porque é coisa que ainda não experimentei (em 3 anos!) o que tornou algo sofrido o meu papel de mãe (mais do que seria desejável). Neste momento estou conformada, mas que sofro, sofro ... e isso acarreta um muito maior grau de impaciência da minha parte. Quanto à necessidade de liberdade e espaço ... é pá, acho que até as nossas bisavós a sentiram (mesmo sem saber). Ai, que testamento confuso ... vou continuar o tema lá na minha "casota".

bjs!!

mocas

PS: ai que ainda tenho o word verificaton ... ;)

Leonor disse...

:)))!!
ora pois claro! e olha parece que somos muitas... :D
beijinhos