segunda-feira, fevereiro 21, 2005

episódio caricato...


ontem após ter ido exercer o meu direito cívico no Liceu Camões e de, uma vez mais, me ter dado uma valente dose de nostalgia, resolvemos ir até ao supermercado comprar umas goluseimas; andávamos nós espreitando as prateleiras para escolher o doce mais calórico possível quando fui albarroada por uma mão na minha barriga e por um muito sorridente: "que rico menino que vai sair desta barriga!!!"...

...

...

...

(as reticências em cima foram os segundos que demorei a perceber que não conhecia a mulher de lado nenhum...)

...

sorriso forçado/amarelo/qualquer coisa: "muito obrigada..."

tal e qual apareceu, foi-se a senhora...

...

...olhares trocados entre os futuros pais...

gargalhada geral!!!

mas será que a gravidez nos torna em seres de consumo público?!

8 comentários:

Someone Here disse...

Gentinha abusada!!! Eu até não acho que façam com má intenção... Mas isso de invadir o "espaço" de outra pessoa sem pedir autorização tem o que se lhe diga!
Beijocas.

Margarida Atheling disse...

Acho que sim...!
As pessoas parece que acham que uma barriga é um bem público. E quanto maior a barriga pior!
Eu acho irritante essa mania! Mesmo! Mas até percebo que é com boa intenção e que, de algum modo, uma criança não pertence só aos pais, pertence a um povo, à humanidade... é o nosso futuro! É um bocadinho desse futuro que está na tua barriguinha tão redondinha. É um motivo de orgulho Inês!
Bjs.

Rute disse...

Só me fizeram isso uma vez e eu não gostei nada... por isso nem quero pensar quando pessoas que não conheço de lado nenhum mexerem no André... acho que me vou passar :)

Lara disse...

Dahhhhhhhhhhhhhhhh...
Eu acho que me tinha passado!!! Detesto que me toquem na barriga, família inclusivamente!
Querem mexer, peçam... mas isto não é domínio público, eheheh
Mas... Inês... a ti acontece cada uma, rapariga!...

Cláudia disse...

Detestava que me tocassem na barriga. Encolhia-me toda. Arrepiava-me. Tinha medo que quisessem roubar o que era só e muito nosso.
Ele há gente para tudo...
Beijinhos mimados

Carla disse...

Não pude evitar sorrir, mas foi pela forma como contaste as coisas, pois acho que isso não se faz. Até te podias ter assustado. Mas enfim... há mesmo quem considere que uma grávida é um bem público. De qualquer forma, a senhora tê-lo-á feito com a melhor intenção do mundo e até soube que era um menino :) Beijo enorme, Inês linda.

Lipa disse...

Bem...felizmente nao me aconteceu nada com estranhos acho que tb me passava!!! Não gosto nada de proximidades exageradas..há aqui uma senhora que trabalha no bar e que é mto simpatica vem sempre falar comigo por causa da Di nao toca na barriga mas chega-se de uma maneira que me incomoda (fica a falar mesmo perto da cara), eu sempre a andar para trás e ela a vir atrás chegou a um ponto que já evito ir ao bar senão tenhod e andar a "fugir" dela LOL. Já reparei que sou muito protectora com a barriga num destes dias uma das minhas colegas vinha toda contente por a mao na barriguita (nao me incomoda nada qd sao pessoas conhecidas até gosto fico toda vaidosa pela filhota) mas como estava distraida a falar com outra so vi uma sombra a aproximar-se da barriga e a reacção de proteger a barriga foi imediata! Nos sitios publicos (com mta gente)ando sempre com cuidado com os braços a proteger possiveis encontroes ou batidas de outras pessoas.
Mas gostei da vossa reacção...apesar de inconveniente a senhora teve mesmo piada :)
beijocas

AnaBond disse...

Encontrei o teu blog e espero que não te importes que eu comente...

A mim nunca me fez confusão que me mexessem na barriga, mas não gostava que qualquer pessoa o fizesse. Não me aconteceu isso com nenhuma estranha, mas aqui no emprego muita gente acha que tem o 'direito' (?!??) de o fazer quando alguém está para ser mamã... é como alguém disse, se pedissem, tudo bem, mas agora chegar a uma grávida (e tanta vez foram pessoas que apenas digo bom dia e boa tarde e não faço puto de ideia de como se chamam) e mexer por mexer... mas que coisa.

(mas ao menos foi um elogio, né? ehehe)