domingo, maio 01, 2005

O Parto...


adiei vezes sem conta o relato do parto do diogo...mas decidi que não poderia passar de hoje...talvez porque faz hoje um mês que aconteceu, talvez por ser o dia da mãe...

como não tenho bem noção da ordem cronológica dos acontecimentos, ficam aqui apenas alguns dos episódios para que não se percam nos confins da minha memória (e porque não, pergunto eu...).

acordámos cedinho e eu verifiquei, pela nonagesima vez, as malas...sentiamos um misto de ansiedade e expectativa...a minha irmã foi ter connosco à maternidade e ainda fomos tomar um café antes de entrar...

por volta das 9 e picos da manhã dei entrada no serviço de urgência, conforme combinado com a obstetra...aguardámos um bocado e depois fui chamada...a verdade é que nunca acreditei que fosse internada naquele dia...achava que o médico de serviço não me iria querer internar ou que não haveriam vagas...mas entrei, falei com a enfermeira, entreguei-lhe o papel da médica e fui para o CTG...voltei para a sala de espera e passado mais um bocado fui novamente chamada...

a minha médica já estava a preencher a papelada e a enfermeira entregou-me 2 batas horríveis e um saco do lixo (!) para colocar a minha roupa...fui-me mudar à casa de banho e quando voltei fui brindada com a rapagem dos pêlos púbicos e com o clister...voltei à casa de banho...

posto isto, fui "convidada" pela enfermeira para a acompanhar...o nervosismo crescia e eu nem queria acreditar que afinal tudo estava mesmo a acontecer...encontrei-me com o meu companheiro no hall do Hospital (naqueles lindos trajes) e entreguei-lhe o saco...foi informado de que poderia em seguida ir ter comigo ao 2º andar...menos mal...

quando cheguei ao 2º andar, por volta das 11 horas da manhã, esperavam-me a médica que me iria acompanhar (uma colega da minha médica que conheci 2 dias antes) e duas enfermeiras...deitei-me na cama, fui ligada ao CTG e ao soro...a médica fez-me o toque...tudo muito verde, a augurar muito tempo de espera...a médica afirmou que seria melhor eu andar...

passado um bocado o pai do diogo teve autorização para entrar...a médica e as enfermeiras apareciam de quando em vez para saber se eu sentia algum desconforto...nada...

mais tarde a médica desligou por um bocado o CTG...e quando o pai-vagem foi almoçar (comer qualquer coisa, que eu não o deixei ausentar-se por muito tempo), pedi para ir à casa-de-banho...estava a começar a ficar farta da arrastadeira e não me esquecia de que a médica me tinha dito que seria bom andar...lá me arranjaram um "cabide" para o soro...lá fui à casa de banho...lá expliquei às enfermeiras que queria andar um bocado...lá cirandei pelos corredores do bloco (coisa rara, de certeza, dada a admiração com que as enfermeiras me olhavam...cheguei mesmo a ser interrogada sobre quem me tinha dado autorização para aquilo)...

as horas passavam e...nada...nem desconforto, nem dores, nem nada...a "ameaça" da médica..."se não sair por baixo, sai por cima"...eu a passar-me porque sabia muito bem porque tinha estado tão relutante com a história da indução...passámos o tempo entre jogos e fotos tiradas às escondidas das enfermeiras...

entre todos estes acontecimentos, fui tocada várias vezes...e sempre sem novidades...

não sei a que horas, comecei a sentir dores nos rins...bom sinal, segundo a médica...mas nada de dilatação...

por volta das 17h e 45m começou a coisa a sério...muitas dores...muitas dores...muitas dores!!

chamámos a médica...dilatação: nada! falou-me da epidural e eu respondi que preferia tentar aguentar sem necessitar de a levar...levei com uma dissertação sobre os benefícios da modernidade...mas que a escolha seria minha...

não sei por volta de que horas, o pai-vagem começou a tentar convencer-me a levar a epidural...as dores já eram indiscritiveis...pedi para chamar a médica e perguntar se ainda levaria muito tempo...nunca irei esquecer a resposta: "está a ver o caminho daqui ao porto?? ainda vamos em sacavém!"...a ideia de um percurso tão longo aliado ao facto de a médica ter explicado que as contracções ainda iriam dobrar de intensidade levaram-me a recuar...e a pedir o que sempre pensei não necessitar...venha a epidural!

mas a epidural não podia vir porque eu não estava a fazer a dilatação...e as dores eram tantas mas tantas que eu julgava não aguentar...se não fosse o pai-vagem acho que teria enlouquecido...

por esta altura, já o enfermeiro se tinha abeirado de mim perguntando se não tinha aprendido mais nenhuma respiração (já eu ofegava a 100 à hora...)...tiveram que me pôr a oxigénio e "re-aprendi" a inspirar e expirar profundamente...

a dada altura tudo começou a tornar-se irreal...as dores fortes demais (como é possível aguentar aquilo, pergunto eu...)...a má disposição...os vómitos...os arrotos que me faziam querer levantar...a vontade de ir à casa de banho e a arrastadeira entre as contracções (!) cada vez mais seguidas...

e o pai-vagem...a ajudar-me em todos os momentos...a vigiar o CTG e a pedir-me para respirar quando percebia que vinha aí mais uma...a impôr-me controlo quando eu desperava, chorava ou gritava...

o rebentar das águas...eu a sentir-me toda molhada...mais suja que nunca...acho que foi aqui que me colocaram as fraldas...que me acompanharam até ao momento da expulsão...fraldas...!

toques e mais toques e nada de dilatação...e as dores a tornarem-se indiscritiveis...até ao "toque mágico"...gritei como nunca mas a médica arrancou-me 2 dedos de dilatação à força...

e, às 10 e meia da noite, veio a epidural...o pai-vagem saiu (a muito custo e só depois de eu ter a certeza que a médica já ali estava) e mandaram-me sentar com o rabo à beira da cama com as pernas cruzadas...e que querem que eu faça às dores, senhores?!...uma almofada encostada ao peito para agarrar...cabeça para baixo...não mexer um centímetro do corpo...a pergunta da anestesista: "quanto mede?"...e eu sem conseguir responder por causa das dores e daquela posição horrorosa..."se não responder não vou poder calcular onde picar e as dores não passam"...a resposta sai a custo...a enfermeira ajuda a imobilizar-me (fisicamente e com a lembrança de que em breve a dor passaria de vez) e entre contracções sou picada...dor nenhuma comparada com tudo o que estava a passar...para completar o trabalho, sou algaliada (sim, a juntar às fraldas)...

estive 10 minutos ligeiramente aliviada...mas as contracções continuavam a sentir-se...e voltaram em força...nem deu para descansar...

às 11 e meia expliquei que estava na mesma (explicou o pai-vagem que eu não conseguia falar...)...perceberam o meu desespero...nova dose de epidural...

e aí...descansei...acabaram-se as dores...pude esperar em paz...eu nem queria acreditar que tinha acabado...e que, afinal...não tinha mesmo aguentado sem levar a anestesia...aliás, não tinha aguentado nada...

mais toques...e novamente a médica do toque mágico..."tem 3 dedos de dilatação...agora 4...5...e 6!"...tudo "à mão"!

penso que por volta da meia-noite e meia comecei a sentir novamente as contracções (mas sem dor) e uma ligeira vontade de fazer força...comentei com o pai-vagem que quis logo chamar o pessoal médico...pedi-lhe para aguardar...mais uma...mais uma...mais uma...sim...estava mesmo a sentir vontade de fazer força...

chamámos os enfermeiros...novo toque..."está pronto para sair, vamos preparar tudo!"...pelo que percebi estavam à espera que outra rapariga começasse antes o período expulsivo...mas não...o quarto foi preparado, o enfermeiro aprontou-se e nós olhavamos um para o outro sem querer acreditar que o final (ou o início!) estava para breve...

fui colocada conforme mandam os figurinos e o enfermeiro disse-me para fazer força sempre que sentisse vontade...foi tudo muito calmo, sem stresses, sem dor...

penso que teremos estado naquilo uns 10/15 minutos no máximo...o pai-vagem espreitava e eu ia-lhe perguntando o que via...

"vamos ver se para a próxima faz mesmo muita força para o seu bebé sair"...achei que era apenas um incentivo para continuar a fazer força...nunca imaginei que fosse tão rápido...

mas foi...

(amanhã, dia em que o Diogo completa o seu primeiro mês de vida, termino o relato...afinal...já passava da meia-noite, já não era dia 1!)

26 comentários:

TrêsGatosMiaus disse...

Lindo Lindoooooooo parece mesmo uma história... até ruí uma unha.

GRANDE MÂEEEEEEEEEEEEEEE

Beijocas e Feliz dia da Mãe

Cristina disse...

Ó Inês andava desejosa que tu contasses como foi mas depois de ler, digo-te até me ficou a doer o coração.Irra!Ainda bem que eu sempre pensei na epidural!
Fico à espera do final...

Ana Rute Cavaco disse...

Eu tb tinha muitas teorias acerca da epidural, mas quando as passei, pedi-a logo!

Someone Here disse...

Em primeiro lugar, feliz dia da Mãe!
Ai Inês até eu me senti cansada com este relato... Que grande mulher!!
O teu Diogo está mesmo lindo!!
Beijoquinhas!

Carla disse...

Inês querida, lá fiquei eu de lágrimas nos olhos. Que relato tão bonito :)) Amanhã venho ler o resto :) Um beijo enorme de parabéns, mamã linda!

Ana disse...

Uauuu!
Até estou vermelha da força que também fiz a acompanhar a tua história.
Já estou a respirar...não é grave.
:)

Alda disse...

Ufa, parecia que estava a visualizar a cena. Pois é, não é pera doce (sabes que da minha primeira filha também demorei semanas a conseguir falar ou sequer pensar no parto?). MAS É TÃO BOOMMMM! E todas as dores valem a pena!

Conta mais! Agora queremos saber o resto (que afinal é a melhor parte)!

Bjs
Alda

Márcia Lopes disse...

Olá Inês,
acho que escolheste um lindo dia para nos contares como foi o teu parto, até fiquei emocionada. Agora quero saber da parte final !
Continuação de Feliz Dia da Mãe.
Beijinhos aos três.
Márcia

... disse...

Querida Inês,

Até eu fiz força! Foi emocionante! Adorei ler! Foste e és uma mulher de coragem!

Beijinho muito grande...também pelo Dia da Mãe!

Mocas

Paula disse...

Oh minha amiga... sei que não foi nada como sonhaste e que ficaste muito "magoada"...
Mas já passou e agora tens aí o teu príncipe!
Vais aprender a viver com essa recordação e a dar-lhe cada vez menos importância...
Um beijinho muito grande para esta grande mãe e um para o pimpolho!
Paula Sofia

Rute disse...

Foooogooooo????!!?!?!?!?!?
Ganda Mulher!!!!!
Quando for a minha vez, quero ser como tu lol

Beijos á Mãe e principalmente ao Dioguito!!!

Luna disse...

Olá Inês!
Grande mulher,agentas.tes bem e abençoada epidural.
Beijocas
Luna

Alice disse...

Olá Inês,
Ufa. Confesso que até a mim me doeu.
Acho que eu nunca pensei na possibilidade do parto sem a epidural. Digam lá o que disserem, sem dor também conta, somos mães na mesma e ficamos sem traumas para lembrar. Só coisas boas.
Admiro a tua coragem.
Beijinhos,
Alice e Inês

Carla disse...

Tadinha Ines! Mas valeu bem o sofrimento!!!

Fico a aguardar o final!!!!

Muitos beijinhos,
Carla e ervilhita (qs 18s)

Rita disse...

pronto... é oficial... fiquei com medo!

ana disse...

Poças Inês.... estou aqui a contorcer-me toda...mas de vez em quando relembro-me que estás viva e o teu dioguito de boa saúde...

Lara disse...

Ui... não sei se hei-de chorar ou aplaudir a tua coragem!
Pois é, mas enquanto lia dava graças a Deus por ter ido para o Hospital dos SAMS e por ter tido o meu médico a tratar de mim até ao fim...
Tive muita sorte por ele ter tido o profissionalismo que teve e poupar-me a muito sofrimento logo que percebeu que era melhor fazer a cesariana.
Mesmo assim tenho as más recordações da cesariana e dos dias que se seguiram, com muitas dores...
Mas tu... foste uma grande mulher. E parabéns por teres reconsiderado a epidural. Acho que fizeste muito bem!

AnaBond disse...

O meu também não foi pêra doce, mas depois de ler este relato, mais uma vez sei que as mulheres são mesmo muito fortes... mesmo que choram.

Inês, daqui a uns tempos vais recordar esse dia mas com um sorriso nos lábios. Afinal foi o dia em que tudo começou.

beijo, grande mulher!

sonia disse...

foste memso valentona!
e engracado... a dor de um parto e aquela de que mais depressa nos esquecemos.
mama de dois

Cristina Venturini disse...

Bolas.. que relato.. foi mesmo um dia em cheio!! Mas o resultado foi o melhor não?!?!
Beijos

ni disse...

Grande mulher, sim senhora! A mim só me irrita que te tenham provocado o parto, quando de certeza que se deixassem o moço nascer quando lhe apetecesse, as dores não seriam tão intensas, é que a oxitocina artificial não é nada pêra doce... mas tu foste uma valente e pariste um excelso cachopo, tão lindo que até babo o teclado todo cada vez que aqui venho...
Mas que sorte a da minha Íris!!!
:o)
Muitos beijinhos e abraços

Susana Vasconcelos disse...

Caramba Inês! Que corajosa! Como aguentaste tanto sofrimento?! O pai-vagem está também de parabéns pela força que deu à mamã!
Eu também não queria a epidural... agora acho que nem vou questionar... Já me tinham falado que, quando o parto é induzido, as dores são muito fortes e aí não há volta a dar. Só vou mesmo safar-me da dela se já for de casa com o "trabalho" feito... senão vai ter mesmo que ser.
Muitos parabéns "Grande Inês"! O Diogo tem uma mamã de quem se pode orgulhar muito!!
Beijinhos grandes,
Susana+Mateus

JoaoN disse...

Faço minhas as palavras da Ni. E espero sinceramente que o(a) mano(a) do Diogo nasça... na Irlanda!

JoaoN disse...

E para o caso de a tua médica ler o blog... :-), fica o comentário que li num blog de uma inglesa residente em Portugal, mãe de duas filhas:

"a message to all the Pt gynaes/Obs reading this... bring back nitrous oxide and stop inducing people for your convenience. thank you"

Anónimo disse...

Enjoyed a lot! » »

Anónimo disse...

Best regards from NY! »